quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Enfim, concursada!!!! Obrigada Deus, presente de Natal!!!







Eu não tenho palavras para agradecer a Deus pelas bençãos recebidas este ano que está se findando!!! Quando os sonhos se concretizam, quando a lua parece ter mais brilho, quando a luta e a perseverança vencem o desânimo e você olha para trás e vê que valeu apena cada noite estudando, cada dia trabalhando com dedicação! Você vê seu trabalho reconhecido, chefes e amigos fiz e deixei uma semente de amor e fé em cada um!! Ah estou falando assim pela grande vitória que aconteceu sexta-feira, dia 14, a chegada de uma partida para um concurso que assumirei em breve!!! Saudades vou sentir dos amigos que fiz que aprendi a conviver, amigos e amigas de todas as cores, raças e posições sociais!!! Ah que presente de Natal!!! Obrigada Deus, valeu perseverar e a todos que estão estudando, continuem perseverando sua hora vai chegar!!!! Feliz Natal a todos e um 2013 de sonhos realizados!!! A vida é um presente divino que a cada dia você aprende que o presente nem sempre vem com lacinhos, fitas e com pompas, o presente muitas vezes vem com embrulho diferente, mas quando vc abre, lá está uma jóia rara!!!!

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Morre Oscar Niemeyer ...se foi a criatura eternizada nas obras

"Se a reta é o caminho mais curto entre dois pontos, a curva é o que faz o concreto buscar o infinito." (Oscar Niemeyer 1907 - 2012)




Há dois anos coloquei o nome dele no livro das causas impossíveis lá na nossa igreja, creio que ele partiu preparado pois entre o mistério da dor e da partida houve um encontro da criatura com o seu Criador em vida!!! Esta é a obra de arte mais importante do nosso viver, partir preparado para o Encontro com Deus!!!! Foi-se o criador de tantas obras e ficou a obra com o traço de seu artista!!!! (Tânia)

domingo, 18 de novembro de 2012

PALESTINOS E JUDEUS

PALESTINOS E JUDEUS

DO MESMO TRONCO E DESCENDÊNCIA,
DOIS FILHOS DE SEMELHANTE PAI, ABRAÃO...
QUE VIVAM EM PAZ, COM FREQUÊNCIA,
SE AMEM E SE RESPEITEM COMO IRMÃOS!!!...

(Fonte: Washington Dourado)



Da mesma descendência vieram os dois irmãos
que vivem brigando por terras
esqueceram do Pai, Abraão
esqueceram que a terra é apenas uma passageira promessa
Senhor tem misericórdia dos inocentes que morrem nesta guerra
tem misericórdia da falta de amor que dilacera a Terra
(Tânia Rocha)



quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Palestina e Israel

Palestina e Israel

Lucas 21

20 Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei então que é chegada a sua desolação.
21 Então, os que estiverem na Judéia, fujam para os montes; os que estiverem no meio da cidade, saiam; e os que nos campos não entrem nela.
22 Porque dias de vingança são estes, para que se cumpram todas as coisas que estão escritas.
23 Mas ai das grávidas, e das que criarem naqueles dias! porque haverá grande aperto na terra, e ira sobre este povo.
24 E cairão ao fio da espada, e para todas as nações serão levados cativos; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem.

A Bíblia Sagrada já previa tudo isto! E quando ouvires rumores de guerra....


quinta-feira, 8 de novembro de 2012

A confiança no Senhor!!!



Salmo 112:6, o justo não será abalado, o justo ficará em memória eterna e no 112:7 Ele não teme más notícias; o seu coração está firme, confiando no Senhor.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

"Livre-se dos bajuladores. Mantenha perto de você pessoas que te avisem quando você erra.!"







"Livre-se dos bajuladores. Mantenha perto de você
pessoas que te avisem quando você erra.!"

Barack Obama

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Luiz Gonzaga cantou as alegrias e as tristezas do povo nordestino, diz Dilma Rousseff

Luiz Gonzaga cantou as alegrias e as tristezas do povo nordestino, diz Dilma Rousseff







Presidenta Dilma Rousseff - foto Roberto Stuckert Filho-PR


A presidente Dilma Rousseff declarou nesta segunda-feira, no Palácio do Planalto, durante a entrega da medalha do mérito cultural a 41 personalidades, que Luiz Gonzaga cantou as alegrias e as tristezas do povo nordestino e por isso ajudou a compreender melhor a alma do povo brasileiro.

De Pernambuco receberam a comenda, entre outros, o cantor Alceu Valença e o maestro Forró, da Orquestra Popular da Bomba do Hemetério.

Esta medalha foi criada há 16 anos para homenagear pessoas e instituições comprometidas com a cultura.

A solenidade foi encerrada por Elba Ramalho cantando para os presentes a música “Asa Branca”, considerada o hino do Nordeste brasileiro.

Fonte: ( Blog do Inaldo Sampaio/PE)

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Dividir é somar para subtrair e multiplicar

Dividir é somar o pouco que temos para subtrair à injustiça social e multiplicar o amor no mundo!!! (Tânia Rocha)





segunda-feira, 22 de outubro de 2012

7 Sinais do Retorno de Cristo - Filme Completo Dublado (Documentário)



“E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras” (Ap 22.12). Jesus está voltando!!!!

"Porque se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá terremotos em diversos lugares, e haverá fomes e tribulações. Estas coisas são os princípios das dores." (Marcos 13 : 8)

Mateus 24 : 1 ao 14 "E, estando assentado no Monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos em particular, dizendo: Dize-nos, quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo?

E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane;

Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos.

E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.

Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares.

Mas todas estas coisas são o princípio de dores.

Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.

Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão.

E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos.

E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará.

Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo.

E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.
Mateus 24:3-14

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Uma Palavra: "Obrigado"

Para Refletir...

Uma Palavra: "Obrigado"

"... e sede agradecidos" (Colossenses 3:15).


Rudyard Kipling foi um poeta britânico cuja obra abençoou
muitas pessoas. Ele foi um escritor muito famoso até sua
morte, e ganhou muito dinheiro com sua profissão. Certo dia,
um repórter de jornal foi a ele e disse: "Sr. Kipling, eu li
que o senhor ganhou, com sua obra, mais de 100 libras por
palavra". Kipling levantou suas sobrancelhas e disse:
"Realmente? Eu não estava ciente disto". O repórter,
cinicamente, enfiou a mão no bolso e, pegando uma nota de
100 libras, deu-a a Kipling, dizendo: "Aqui está uma nota
de 100 libras, Sr. Kipling. Agora, dê-me uma de suas
palavras de 100 libras". Rudyard Kipling olhou por um
momento para a nota, dobrou-a, colocou-a em seu bolso e
disse: "Obrigado."


Esta é uma palavra que vale mais que 100 libras. Ela traz
gozo e alegria ao coração. Ela nos produz paz e a certeza de
que as bênçãos recebidas continuarão.


Somos muito felizes quando aprendemos a dizer "obrigado", e
a felicidade ainda é maior quando a dizemos para o nosso
Senhor e Salvador Jesus Cristo. E não são poucos os motivos
para que lhe digamos "obrigado".


Quando lembramos que caminhávamos sem rumo, sem esperança,
sem fé e sem sonhos a realizar, e compreendemos que agora
temos vida abundante, um amor real no coração, o nome
escrito no Livro da Vida, uma morada nos Céus onde
passaremos a eternidade, não podemos pensar em outra palavra
para dizer a Deus a não ser "obrigado".


Quando lembramos de nossa solidão, mesmo entre multidões, do
vazio de nossas vidas, mesmo diante do muito que podíamos
ter, das dúvidas inquietantes, mesmo diante de certo
sucesso, e percebemos que agora tudo é diferente e que
caminhamos pela estrada da felicidade, queremos gritar bem
alto para o Senhor: "obrigado".


Se tenho motivos -- e verdadeiramente tenho -- para dizer
"obrigado", sou mais rico que Kipling e o meu "obrigado"
vale mais que todo o ouro e prata existentes neste mundo.


Obrigado Senhor! Muito obrigado!

sábado, 13 de outubro de 2012

Dois brasileiros obstinados que enfrentaram fortes barreiras para se realizar profissionalmente


Dois brasileiros obstinados que enfrentaram fortes barreiras para se realizar profissionalmente


Um morador de rua que conseguiu passar em um concurso público e um jovem dedicado que aprendeu a falar inglês fluente sozinho ouvindo rádio; Conheça as histórias de superação de Sédrik e Ubirajara.

Sédrik e Ubirajara. Dois brasileiros obstinados. O início de suas histórias foi contado aqui no Globo Repórter. Eles deram um novo rumo às suas vidas graças ao estudo e a uma tremenda determinação.

“Quando você está desempregado, não é que você não seja gente, mas você não é tratado como gente. Quando você está desempregado, você não tem casa pra morar, a própria sociedade te exclui. Agora não, agora eles vão ter que me engolir”, afirmou o bancário Ubirajara Gomes da Silva.

Pois é, quem podia imaginar, um morador de rua aprovado num concurso nacional disputadíssimo.

“Eu fico brincando, eu digo que eu sempre estudo pra ver se eu viro alguém na vida”, disse Bira.

O passado de Bira não foi nenhuma brincadeira.

“A minha avó me espancava muito, meu pai nunca quis me criar, minha mãe também não”, lembrou Bira.

Foram 12 anos vivendo ao relento, sem teto nem endereço. Até decidir dar uma virada na vida. Ele conseguiu. É funcionário de uma agência no Recife.

Pra quem morava nas ruas, o Bira já é dono de uma façanha e tanto. Mas pra ele, passar num concurso nacional disputadíssimo e se tornar bancário não é o fim da linha não. O Bira quer mais e continua testando os limites da força de vontade e da obstinação.

“Tem muito o que alcançar dentro do banco ainda?”, perguntou a repórter Beatriz Castro.

“Com certeza. E depende só de mim”, respondeu Bira.

Quatro anos atrás nós acompanhamos o primeiro dia de trabalho de Bira. E ele já fazia planos.

"Pretendo comprar uma casinha, mas só isso, pagar algumas coisas que estou devendo, fazer uma faculdade", contou Bira.

A casinha ele já tem. Fica bem em cima de onde mora a sogra. É. O Bira está casado. Engordou quase 30 quilos, planeja melhorar a moradia e não desistiu da vida universitária.

“E o que você acha deste esforço dele?”, questionou a repórter.

“Eu gosto porque me incentiva também”, disse a mulher do Bira Karine dos Santos Gomes.

“Se você parar de estudar, se você se acomodar você não vai pra lugar nenhum”, completou Bira.

Sédrik também não parou. O menino pobre, que queria correr o mundo, festeja algumas conquistas.

“Eu já estive em Washington, na capital, eu já estive em Chicago, já estive em Dallas, no Texas”, afirmou o agente de aeroporto Sédrik Alan da Silva.

E pensar que a mudança na vida do Sédrik começou com um velho rádio. Foi sintonizando nas ondas curtas para ouvir o noticiário da BBC de Londres que ele aprendeu a falar inglês sozinho. O rádio foi o professor. Um professor difícil de entender.

“Ele sempre chiou. Atrapalhava um pouco, mas, fazer o quê se era só o que se tinha?”, disse Sédrik.

Sédrik queria mais do que a cidade de altinho, agreste de Pernambuco, podia lhe oferecer. E sabia o quanto era importante aprender uma língua estrangeira. Foram dois anos e meio estudando sozinho. A mãe reclamava daquele ruído todo na madrugada.

“Ele ficava chateado porque queria estudar, ouvir o rádio e eu ficava querendo proibir, porque eu trabalhava o dia inteiro e à noite eu não conseguia dormir”, contou a mãe de Sédrik, Maria do Socorro da Silva.

E quando não estava de frente pro rádio, estudava horas na biblioteca da escola.

“Quando você tem um objetivo, tem uma meta, você vai em frente, investe e consegue”, afirmou a coordenadora da biblioteca Valquíria Bezerra.

O resultado não demorou. Aos dezoito anos, com inglês fluente, Sédrik foi escolhido pela Embaixada americana no Brasil para ser um jovem embaixador. Passou duas semanas nos Estados Unidos. Era só o começo. Hoje Sédrik trabalha numa companhia aérea internacional.

“Ele não tem problema de comunicação nenhuma com os passageiros. Ele fala inglês fluente”, ressaltou Priscila Rabello, coordenadora de aeroporto.

“Eu não tenho como dimensionar até onde o esforço pode levar, mas tenho certeza que ele pode trazer bons resultados e grandes coisas para vida de qualquer pessoa”, disse Sédrik.

Vale a pena lutar por nossos objetivos - mesmo que eles pareçam grandes demais, distantes demais. Do tamanho da nossa imaginação.

Fonte : G1 - Globo Repórter

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

o caminho para a felicidade não é reto,existem curvas chamadas equívocos

Profunda reflexão sobre a somatização de problemas mas, o caminho para a felicidade não é reto,existem curvas chamadas Equívocos,

A doença é um conflito entre a personalidade e a alma.
O resfriado escorre quando o corpo não chora.
A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.
O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.
O diabetes invade quando a solidão dói.
O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
A dor de cabeça deprime quando as dúvidas aumentam.
O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.
A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
O peito aperta quando o orgulho escraviza.
A pressão sobe quando o medo aprisiona.
As neuroses paralisam quando a “criança interna” tiraniza.
A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.
Os joelhos doem quando o orgulho não se dobra.
O câncer mata quando não se perdoa e/ou cansa de viver.
E as dores caladas? Como falam em nosso corpo?
A enfermidade não é má, ela avisa quando erramos a direção.
O caminho para a felicidade não é reto,

existem curvas chamadas

Equívocos,

existem semáforos chamados

Amigos,

luzes de precaução chamadas

Família,

e ajudará muito ter no caminho uma peça de reposição chamada

Decisão,

um potente motor chamado

Amor,

um bom seguro chamado

FÉ,

abundante combustível chamado

Paciência.
Mas principalmente um maravilhoso

Condutor

chamado

DEUS.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Voz do Brasil: Petista reforça decisão sobre horário do programa e critica mídia conservadora

Notícias
29/09/12 - 08h29

Voz do Brasil: Petista reforça decisão sobre horário do programa e
critica mídia conservadora

Érika Kokay (PT-DF) cita o episódio como alerta para a necessidade de
regulamentação da comunicação

A decisão do Supremo Tribunal Federal que obriga a transmissão do
programa Voz do Brasil, pelas emissoras de rádio, no horário de 19 às
20 horas, de segunda a sexta-feira, foi bem recebido por
parlamentares.

Na avaliação da deputada Erika Kokay (PT/DF), a Voz do Brasil é um
instrumento de democrático.“A voz do Brasil funciona há 70 anos e a 70 anos, das 19 as 20 horas,a população deste país tem conhecimento de como funciona os poderes da
república, tem conhecimento das decisões do legislativo, do executivo,
das decisões do poder judiciário, porque que é um instrumento de
democratização a Voz do Brasil que entra em todas as casas para
mostrar o que acontece dentro deste país e o que acontece que vai
mexer com a vida da própria população não pode ser colocado a qualquer
hora”, afirmou a deputada.

Kokay citou a polêmica do monopólio dos meios de comunicação. “Foi um
progresso da democracia, foi um progresso da cidadania e foi uma
conquista de um país que precisa primeiro regulamentar a comunicação
porque é impossível que nos tenhamos poucas empresas no Brasil
dominando um poder”, declarou Erika Kokay.

Segundo a parlamentar, a mídia transforma fatos em opiniões e citou o
ataque ao presidente Lula, que nas palavras da deputada “ é uma
expressão de uma direita que não se conforma por esse país ter dado
certo pelas mãos de um operário. Não se conforma que a classe
trabalhadora não esteja mais na senzala, não se conforma que o
presidente não podia governar porque não sabia falar inglês, mas soube
falar durante oito anos a língua do povo”, ressaltou Kokay.

(Neide Freitas e Fabricia Neves – Portal do PT)

sábado, 29 de setembro de 2012

Os escritos e pronunciamentos econômicos de Getúlio Vargas (7)

Os escritos e pronunciamentos econômicos de Getúlio Vargas (7)

Continuação da edição anterior

A mim preocupa extraordinariamente a sorte de milhões de trabalhadores, aos quais se diz permanentemente que não é possível reajustar salários porque a crise está às portas. Preocupa meu espírito o futuro desses homens, ameaçados da redução de possibilidades de trabalho. Preocupa a minha consciência o destino do esforço de todos os que trabalham no Brasil nas fábricas, nas lavouras e nos campos

GETÚLIO VARGAS

Todos sabem que a Confederação das Associações Comerciais do Rio de Janeiro sempre foi altiva e independente. Desejo transcrever o item VI das conclusões do Memorial da Confederação das Associações Comerciais apresentado ao chefe da nação: "Ajustar a política do Banco do Brasil às necessidades da produção e não meramente às necessidades financeiras do Tesouro".

Mais ainda, o senador Ribeiro Gonçalves declarou, em aparte ao senador Ivo D’Aquino, que: "É tremenda a crise que está atravessando presentemente o comércio de exportação de cera de carnaúba". Essa crise atinge principalmente o Piauí e o Ceará, que estão reclamando financiamento.

Vários deputados acabam de apresentar na Câmara uma indicação para um inquérito que determine as causas das anormalidades da situação da indústria têxtil, com o objetivo de se tomarem providências que "salvem da crise a indústria têxtil, setor importante da economia brasileira".

Não me consta que a Confederação das Associações Comerciais esteja encampando pontos de vista de especuladores e, menos ainda, que senadores e deputados de vários partidos, muitos dos quais meus adversários políticos, estejam defendendo pontos de vista de especulação. Não me consta que a criação de uma Comissão Especial de Pecuária na Câmara dos Deputados, para examinar a difícil situação em que se encontram os criadores do Brasil, seja um movimento de especuladores.

Transcrevo, finalmente, um telegrama da Associação Comercial e Industrial de Blumenau:

"A Associação Comercial e Industrial de Blumenau tem a satisfação de levar ao conhecimento de V.Exa. que, reunida em sessão conjunta com representações do comércio e da indústria, estudou com cuidado e atenção a gravíssima situação por que vêm atravessando as nossas classes conservadoras locais, originada pela retenção das operações de descontos de títulos comerciais junto aos estabelecimentos de crédito da praça. Cientificamos V.Exa. de que expedimos telegramas mesmo sentido Sr. Presidente da República, Dr. Nereu Ramos, ministros da Fazenda e Trabalho, presidente Banco do Brasil e nossas representações Senado e Câmara Federal, encarecendo a todos providências urgentes e imediatas para que seja determinado Banco do Brasil local proceder aumento limite para operações descontos títulos de nossas classes conservadoras e determine o redesconto títulos transacionados demais bancos locais. Cientificamos a V.Exa. que fato está causando alarme requerendo por isso providências de nossas autoridades constituídas a fim seja evitada uma possível convulsão social local. Resta-nos assim solicitar a V.Exa. interferir junto demais autoridades solução magno problema que constituirá tranquilidade apreensões existentes e defesa nosso parque industrial seriamente ameaçado. Respeitosas saudações. Joaquim Gonçalves, presidente".

Será que os comerciantes e industriais de Blumenau também são especuladores? Disse o senador Ivo D’Aquino: "Talvez tenhamos sido imprevidentes e alimentado no espírito uma ilusão que tristemente agora se dilui".

Eu não estou sendo imprevidente. Chamei a atenção para o reflexo da política monetária sobre os orçamentos. E o ilustre líder do PSD declara, textualmente: "Todos os governantes do Brasil devem ter em atenção que, refreado o surto inflacionista, podem ficar na contingência de, antes de terminado o terceiro semestre [sic] do exercício anual, não estarem em condições de pagar o funcionalismo".

Está bem claro que o governo sabe para onde caminha. Quando chamei a atenção para a repercussão da crise sobre os orçamentos, quis ser previdente. Mas o governo já sabe que pode ficar na contingência de não ter dinheiro para pagar o funcionalismo. E o ilustre senador Ivo D’Aquino está avisando os governadores dos estados de que isto pode acontecer.

Os sem-trabalho vão aumentar em número. O governo os concita a procurar outras profissões. Quais? Na lavoura, na pecuária? Certamente não, porque lavoura e pecuária estão em crise e sem recurso. Onde? Pouco importa.

Deixamos de ser devedores internacionais para sermos credores internacionais. E isto vejo que entristece profundamente todos aqueles que, durante anos, sempre desejaram o Brasil de sacola na mão, como um pedinte, roto e esfarrapado.


COMBATE


Entretanto, vejamos como se combate a inflação. As emissões levadas a efeito, desde que deixei o governo, tiveram um lastro em ouro e divisas de apenas 44%, enquanto eu deixei a média de 73% de lastro. E, devido a essas emissões, a média geral do nosso lastro baixou de 73% para 67%.

Isto é que é inflação e não deflação. Aumentar o papel-moeda sem aumentar principalmente as nossas reservas em ouro e divisas é o que se chama inflação, inflação verdadeira, inflação real, inflação objetiva.

Não fui eu que criei a inflação. Inflação é esta que se está fazendo sob a máscara da deflação, conseguindo-se apenas reduzir créditos, reduzir os recursos à produção e ocultar, com palavras, uma realidade que já começa a ser dolorosa, sem reduzir os preços, antes pelo contrário, alcançando uma sensível elevação do custo da vida.

Contestem estas cifras. Provem que não é verdade que diminuiu a percentagem de lastro em ouro e divisas sobre a moeda emitida. Provem que os preços não aumentaram. E depois voltem a falar em inflação.

Já mostrei que o déficit orçamentário de 1946 foi o maior de todos os tempos da história econômica, financeira e administrativa do nosso país. Já mostrei, ainda, que a percentagem de lastro em ouro e divisas sobre a moeda emitida baixou de 73 para 67%. E todos sabem que os preços subiram. A literatura sobre inflação continua e agora é que começamos a inflação com déficits orçamentários tão vultosos e com a redução das nossas divisas.

Não desejo me estender mais. O que se está fazendo no Brasil é querer calçar um sapato de criança num gigante. O que se está fazendo é esconder a realidade ao chefe da nação, é pretender intoxicar a opinião pública com palavras que não resistem nem ao tempo nem aos fatos. Não há crise no Brasil. Reina paz em Varsóvia.


COMPLEXO


Vejo, com profunda tristeza, que o que existe por parte de alguns homens em nosso país, arvorados em líderes da economia nacional, é apenas um acentuado complexo contra o trabalhador brasileiro.

Não me preocupam interesses e lucros industriais. Não me preocupam lutas entre grupos que porventura se tenham desavindo. A indústria tem, nesta Casa, seus representantes, e eles que a defendam, caso precise de defesa.

O que se pretende é destruir o valor desse trabalho, reduzir a papel o que é ouro e moeda estrangeira, já incorporados ao patrimônio da nação. O que se pretende é criar o monopólio do dinheiro, destruir todas as iniciativas, sufocar o nosso povo e reduzir os operários a mendigar trabalho.

Não tínhamos, no Brasil, o problema dos desocupados. Eis o que se pretende criar. Uma vez determinada a impossibilidade de desenvolvimento industrial, os operários sofrerão as consequências da crise com o desemprego. Haverá mais oferta de braços do que procura. E os trabalhadores irão, pela fome, pela necessidade imediata e premente, renunciando às conquistas sociais e voltando à situação de escravos dos que possuem dinheiro.

Não é nem pode ser este o programa de um presidente da República do Brasil. Mas é isto o que se está fazendo.


GOVERNO


Ninguém mais do que eu sabe como é difícil governar e fácil criticar. Todos, porém, podem verificar que o que se está fazendo é mais criticar do que governar.

Cito um exemplo claro: todos achamos que a inflação é um mal. O governo investe contra a inflação. O Banco do Brasil faz relatórios contra a inflação. Vejamos os fatos: emite-se na base 44% sobre as divisas e baixa-se o nível do lastro de 73% para 67%. Todos achamos que os orçamentos devem ser equilibrados. Vejamos os fatos: um déficit de 2.600 milhões. Todos achamos que a lavoura e a pecuária devem ser estimuladas e desenvolvidas. Vejamos os fatos: reduzem-se os empréstimos rurais. Todos achamos que se deve combater a alta dos preços. Vejamos os fatos: os preços continuam subindo.

Mas, vamos admitir que meu governo tenha errado. Vamos admitir que a orientação econômica e financeira executada pelo meu ministro da Fazenda seja a causadora de todos os males. Não foi. Estou convencido disso e disso está convencida a Câmara dos Deputados, que elegeu presidente da Comissão de Finanças o ilustre representante do Rio Grande, Sr. Artur de Sousa Costa [ministro da Fazenda de Getúlio (1934 a 1945)].

Mas vamos admitir tudo isso. Pois bem, por que se emitiu mais com menos lastro de reservas e por que continuamos em déficit? Por que não corrigimos esses erros? Se é difícil, se não é possível, não se deve criar na opinião pública a consciência de que o governo sabe que está errado e não pode deixar de errar. Porque o povo não passa a ter uma opinião menos favorável em relação a esse governo, que precisa, como todos, do apoio da consciência popular.

Vejamos, por exemplo, a questão de preços. O governo baixou um decreto congelando todos os preços. Repetiu a tentativa da Portaria nº 36, de 8 de janeiro de 1943, da Coordenação da Mobilização Econômica. Mas a coordenação fez essa portaria como ensaio e eu não arrisquei a autoridade do governo, porque sei que os preços não se controlam nem por decretos, nem com portarias. De qualquer forma, essa ação tinha o objetivo de conter, administrativamente, as tendências para alta. E se foi fazendo o possível, dentro das dificuldades da guerra, que chegou a reduzir nossa eficiência de transporte marítimo a pouco mais de 30%.

Em relação aos tecidos fez-se um acordo, obrigando-se a indústria a fornecer a uma comissão especial um mínimo de 100 milhões de metros por ano na base de preços de custo. Foram fixados esses preços. Em 30 de novembro de 1945, o coordenador, em sua Portaria 424, baixou os preços de todos os tecidos em 10%. A regulamentação e a fiscalização dessa portaria ficaram a cargo da Comissão Executiva Têxtil. Leia-se o Diário Oficial de 1º de dezembro de 1945. A Cetex assumiu, portanto, essa responsabilidade. Mais ainda: regulamentou a portaria do coordenador em Resolução nº 16, de 10 de dezembro de 1945, publicada no Diário Oficial de 15 de dezembro do mesmo ano. Ficou, assim, com o encargo de fiscalizar a redução de preço. Isto foi feito? Positivamente não!

O ilustre senador que me contestou declara que a Comissão Executiva Têxtil não tinha o controle dos preços. Estou documentando que minha afirmação era verdadeira.

Depois o governo criou a Comissão Central de Preços e congelou todos os preços das utilidades, pelo Decreto-Lei nº 9.125, de 4 abril de 1946. Como foi cumprida essa determinação? A Cetex ficou com a competência exclusiva até recentemente, quando o atual vice-presidente da CCP interveio na matéria e determinou a marcação dos preços de fábrica. Não desejo discutir mais este assunto. Apresento as provas do que disse e estou convencido de que o vice-presidente da CCP, dentro de pouco, transferirá suas armas e bagagens para outro setor, porque teve a petulância de pretender impedir o sacrifício do povo, que se está fazendo com o monopólio dos frutos da famosa árvore benfazeja já não só em sombras e flores.

Insisto num ponto: há um complexo contra o trabalhador brasileiro. Acham que ele não deve ser operário nas fábricas, que o Brasil não deve ter indústria, que é indispensável destruir toda e qualquer possibilidade de trabalho fora dos campos. O Brasil, no conceito desses homens, deve ser uma nação essencialmente agrícola. O operário deve mudar de profissão, pelo que pretendem, ou então voltar ao regime da escravatura.

No momento em que a Argentina, sem energia hidrelétrica, sem carvão, sem ferro, sem a riqueza fantástica de matérias-primas que o Brasil possui, se lança num programa ativo de industrialização, nós devemos voltar atrás. E o operário deve desaparecer.

Não vejo como se consegue baixar o custo de vida elevando o preço do dinheiro. O resultado de uma política de elevação do preço do dinheiro pode ser imediatamente o de uma baixa nos preços dos estoques e, portanto, uma perda de substância para a indústria, o comércio, a lavoura e o orçamento. Mas fatalmente representará, logo que se liquidarem os estoques, uma elevação do custo da produção.

Há ainda um fenômeno de excepcional importância, que se está processando: é o desânimo dos produtores. Desânimo tanto mais grave quanto coincide com as possibilidades de importação de maquinismos. Muitas empresas, na atual situação, não se aventuram a uma tarefa tão ingente. E muitas outras já não mais possuem os recursos indispensáveis a uma reforma de instalações.

Quem sofre, mais do que o empregador, é ainda o operário, que vê desaparecer a possibilidade técnica de melhorar seu nível de vida através do trabalho em máquinas de maior produção e eficiência.

E a mim preocupa extraordinariamente a sorte de milhões de trabalhadores, aos quais se diz permanentemente que não é possível reajustar salários porque a crise está às portas. Preocupa meu espírito o futuro desses homens, ameaçados da redução de possibilidades de trabalho. Preocupa a minha consciência o destino do esforço de todos os que trabalham no Brasil nas fábricas, nas lavouras e nos campos. São Paulo sofre e eu sofro com São Paulo.

Fonte: Hora do Povo

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Nunca pare de lutar!!!!






Nunca Pare de Lutar

Ludmila Ferber

O que vem pra tentar ferir
O valente de Deus
Em meio às suas guerras?

Que ataque é capaz
De fazê-lo olhar pra trás
E querer desistir?

Que terrível arma é
Usada pra tentar paralisar sua fé?

Cansaço, desânimo
Logo após uma vitória
A mistura de um desgaste com um contra-ataque do mal
A dor de uma perda, ou a dor da traição
Uma quebra de aliança, que é raiz da ingratidão

Se alguém está assim, preste muita atenção
Ouça o que vem do coração de Deus:

Em tempos de guerra, nunca pare de lutar
Não baixe a guarda, nunca pare de lutar
Em tempos de guerra, nunca pare de adorar
Libera a Palavra, profetiza sem parar

O escape, o descanso, a cura
A recompensa vem sem demora

Há um lugar!

Cantora Heloísa Rosa

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Concurso de Redação do Senado recebe primeiros textos finalistas

26/09/2012 - 09h49 Institucional - Atualizado em 26/09/2012 - 10h09

Concurso de Redação do Senado recebe primeiros textos finalistas


Da Redação

O Senado recebeu nesta terça-feira (25) os primeiros textos finalistas da quinta edição do concurso de redação promovido pela Casa. As três redações mais bem classificadas em Pernambuco foram entregues pelo coordenador do Programa Jovem Senador no estado, Antônio Carlos Mendes, ao secretário-geral da Mesa adjunto, João Pedro Lobo Caetano.

As secretarias de Educação têm até a próxima sexta-feira (28) para enviar as redações que representarão seus estados. O envio pode ser feito pelos Correios. O representante pernambucano esteve em Brasília para participar de outro evento e conciliou sua presença com a entrega em mãos.

Mendes elogiou a iniciativa do Senado, ressaltando a importância da provocação e da conscientização política dos jovens. Para ele, essa ação contribui para despertar “a ideologia, o acreditar”, e mostra a eles o lado da “política verdadeira, a política do fazer”. Ele citou o exemplo de Samira Paulino, jovem senadora por Pernambuco em 2011, que teve sua ideia transformada em projeto (PLS 261/2012) com tramitação real na Casa. Depois de participar do programa na Capital Federal, Samira passou a conduzir uma série de ações relacionadas à Educação em Recife e compartilha a sua experiência com outros jovens.

O coordenador também destacou a boa organização do evento, dizendo ser uma referência para o estado. Ele explicou que a coordenação em Pernambuco é realizada pelo Programa Jovens Pernambucanos, com a participação dos próprios estudantes. O programa é chancelado pela assembleia estadual e os jovens são ouvidos pela Comissão de Educação. O núcleo conta com dez estudantes que foram finalistas em programas realizados no ano passado. Além de um jovem senador, o grupo é composto por quatro jovens parlamentares (concurso promovido pela Câmara), três jovens embaixadores do turismo (Secretaria de Turismo de Pernambuco), e dois jovens embaixadores (Embaixada dos Estados Unidos).

Senado Jovem

Com o tema "Meu município, meu Brasil" em 2012, o Concurso de Redação do Senado é uma etapa do Programa Senado Jovem. Foram convidados a participar todos os alunos do 2º e do 3º ano do Ensino Médio de escolas públicas estaduais e do Distrito Federal, com idade de 16 a 19 anos.

As inscrições encerraram-se no dia 31 de agosto e os resultados finais serão divulgados pelo Senado Federal até o dia 15 de outubro. Os 27 finalistas no Concurso de Redação – um por unidade da Federação – são automaticamente selecionados para participar do Projeto Jovem Senador, que será realizado de 19 a 22 de novembro, em Brasília, na sede do Senado.

Durante três dias, os alunos finalistas exercem um mandato fictício de senador da República, vivenciando o processo de discussão e elaboração das leis, com assessoramento da equipe técnica do Senado. As ideias apresentadas podem efetivamente se tornar projetos de lei com tramitação na Casa.

Os estudantes também serão premiados com notebook, medalha, certificado e publicação da sua redação no livreto produzido pelo Senado.

As escolas dos alunos classificados nos três primeiros lugares na etapa nacional receberão computadores (desktops), publicações técnicas e multimídias produzidas pelo Senado, além do certificado de participação.

Agência Senado

(Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Processos de cicatrização de feridas


Processos de cicatrização de feridas

Postado por Luciano Maia

Diversas são as classificações das feridas. Segundo o objeto que as causou elas têm formas diferentes. Aquelas causadas por uma faca ou um bisturi, por exemplo, são compridas e tem as bordas lisas; as provocadas por uma mordedura de cão, irregulares; por um prego ou punhal, profundas. Todas podem ter uma curta ou longa extensão.



Elas podem ser feridas limpas ou infectadas. Esta exige mais cuidados.

Para cada tipo de lesão, um tipo de curativo, de medicação, procedimento: as lisas (facas, lembra?) as bordas são aproximadas por sutura (os famosos pontos); feridas irregulares (mordidas), não são fechadas, elas cicatrizam pelo que se chama por segunda intenção – saram de dentro para fora. E por aí vai.



Em toda ferida é verificado se ela está limpa, se não está com secreções, ou outras coisas que comprometem a boa cicatrização e conseqüente cura. Por vezes é necessário fazer o que é chamado de expressão: é exercida uma pressão procurando por secreções escondidas dentro da ferida (trocando em miúdos, a gente espreme a ferida); outras vezes, é preciso limpar cuidadosamente, diariamente, para retirar impurezas (as casquinhas de ferida). Dispensável dizer que esse processo de tratamento da ferida é demorado, meticuloso e, invariavelmente, doloroso.



Com o passar dos dias e a manutenção do tratamento, observa-se que tanto o aspecto da ferida torna-se bom, como a resposta dolorosa diminui e o procedimento fica mais rápido. Diversas vezes quando da boa, satisfatória evolução da ferida, durante a troca de curativos o paciente manifesta surpresa: já terminou? Nem doeu! De fato é mais rápido e menos doloroso.



Quando são encerradas as trocas dos curativos, devido a ferida estar quase totalmente cicatrizada, ela fica aberta, sem cobertura alguma (gaze ou esparadrapo).

A medida que ela melhora o paciente deixa de lembrar-se dela. Ah! Nem doeu hoje! Vixe! até esqueci isso aqui em mim…



Essas feridas são no maior órgão do corpo humano: a pele.



Agora, troque comigo o alvo dessa ferida: pele por alma.

Alma: centro das nossas emoções.

E o processo é igualzinho, igualzinho… …! Todas podem ter uma curta ou longa extensão.



Às vezes, a ferida é precisa como um corte; outras, dilacerante como que arrancado um pedaço por uma mordida louca; ou profunda que vai até onde a gente nem imaginava que pode doer…



Para elas serem tratadas o que se usa? Paciência, muita paciência. Amigos – os mais leais! Boa música, sossego. O Zeca Baleiro canta: “eu não quero ver você tomando ópio para sarar a dor”, é de dor visceral a que ele se refere. É essa a dor da ferida da alma.



E o mais importante: Fé em Deus! Essa intravenosa (é, na veia!), uso contínuo.



Fé em Deus, que sabe da agonia, da tristeza, e da angústia da alma. Certeza de que nesses terríveis dias Ele ouve, responde, livra da dificuldade. Que Ele acalenta o coração judiado.



E o processo de tratamento é semelhante.

Contudo, normalmente, o que se observa é que são feridas infectadas. (Tornam-se infectas e purulentas as minhas chagas. Salmo 38:5a)

É preciso sarar por segunda intenção e tratar espremendo, limpando, limpando… tirando qualquer foco de reinfecção até que não tenha mais nada que impeça a total cicatrização da ferida.

Esperar com paciência pela cura: sim o paciente precisa desenvolver a paciência. Precisa confiar no Senhor que “sara os de coração quebrantado, e lhes ata as feridas”. Salmo 147:3

Eu hoje fiquei tão contente e grata! Era quase final do dia quando, porventura, eu lembrei que tinha ferida.

Ah! Nem doeu hoje!?!? Vixe! até esqueci isso aqui em mim!! Tal e qual a ferida da pele.

Colaborou: Rosa Maria Carvalho


Rodrigo / 06/09/2012

É realmente esse texto que estava precisando, mas minha fé parece ser muito pequena… como sou imperfeito, eu acredito que Deus está me carregando no colo, mas esse meu erro de querer e rezar pra que Ele me livre das dores do passado de forma urgente… isso que complica, que parece que náo temos respostas, mas eu acredito que Ele está cuidando de mim, rezo pra que ele me livre das correntes do passado e me abençoe com o futuro que ele prepara pra mim, o problema é eu ser como uma criança que quer as coisas pra ontem.
Responder
Rosa Maria / 06/09/2012

Ah, Rodrigo, tem uma coisa que não coloquei no texto. O tecido de cicatrização formado sobre a ferida é, digamos assim, reforçado. O corpo entende que ali houve um rompimento e, com isso, uma fragilidade; então, o corpo produz um tecido mais forte, para evitar um novo rompimento.
E isso é um espetáculo!
Abraço!

Fonte: Café com Deus

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

A América ladeira abaixo rumo à pobreza

A América ladeira abaixo rumo à pobreza

PAUL CRAIG ROBERTS*

Os Estados Unidos entraram em colapso economicamente, socialmente, politicamente, legalmente, constitucionalmente, ambientalmente e moralmente. O país de hoje não é nem mesmo uma sombra do país em que nasci. Neste artigo tratarei do colapso econômico da América. Em artigos seguintes tratarei de outros aspectos do colapso americano.

Economicamente, a América desceu a ladeira rumo à pobreza. Como diz Peter Edelman , "os baixos salários já são uma pandemia".

Na atual América da "liberdade e democracia", "a única superpotência do mundo", um quarto da força de trabalho tem empregos que pagam menos de US$ 22.000 [por ano], a linha de pobreza para uma família de quatro pessoas. Algumas destas pessoas mal remuneradas são jovens licenciados em faculdades, sobrecarregados com empréstimos para a educação, que partilham o mesmo teto com três ou quatro outros na mesma situação desesperada. Outras delas são pais solteiros com problemas médicos ou desempregadas.

Outros podem ter PhD e ensinarem em universidades como professores adjuntos por US$ 10.000 anuais ou menos. A educação ainda é apregoada como o caminho para sair da pobreza, mas torna-se cada vez mais um caminho para a entrada na pobreza ou para o alistamento nos serviços militares.

Edelman, que estuda estas questões, informa que 20,5 milhões de americanos têm rendimentos inferiores a US$ 9.500 por ano, o que equivale a metade da definição de pobreza para uma família de três pessoas.

Há seis milhões de estadunidenses cujo único rendimento é o do auxílio-alimentação (food stamps). Isso significa que há seis milhões de americanos que vivem nas ruas ou em casas de parentes ou amigos. Republicanos cruéis continuam a combater o estado de bem-estar (welfare), mas Edelman afirma que "basicamente o estado de bem-estar já se foi".

Na minha opinião, como economista, a linha oficial de pobreza está desde há muito ultrapassada. A perspectiva de três pessoas a viverem com US$ 19.000 por ano é descabelada. Considerando os gastos com a casa, eletricidade, água, pão e refeições, uma pessoa não pode viver nos EUA com US$ 6.333,33 por ano. Na Tailândia, talvez, até o dólar entrar em colapso, isso possa acontecer, mas não nos EUA.

Como Dan Ariely (Duke University) e Mike Norton (Harvard University) mostraram empiricamente, 40% da população, os 40% menos ricos, possuem 0,3%, isto é, três décimos de um por cento, da riqueza pessoal da América. Quem possui os outros 99,7%?

Os 20% do topo têm 84% da riqueza do país. Aqueles americanos nas classes C e D – essencialmente a classe média da América – têm apenas 15,7% da riqueza da nação. Uma distribuição tão desigual do rendimento é sem precedentes no mundo economicamente desenvolvido.

No meu tempo, confrontado com tamanha disparidade na distribuição do rendimento e da riqueza, uma disparidade que obviamente coloca um problema dramático para a política econômica, a estabilidade política e a macrogestão da economia, os democratas teriam exigido correções e os republicanos teriam concordado com relutância.


TUDO POR DINHEIRO

Mas não hoje. Ambos os partidos prostituíram-se por dinheiro.

Os republicanos acreditam que o sofrimento dos americanos pobres não está ajudando os ricos suficientemente. Paul Ryan e Mitt Romney comprometeram-se a abolir todo programa que trate de necessidades que os republicanos ridicularizam como "consumidores inúteis" ("useless eaters").

Os "consumidores inúteis" são os trabalhadores pobres e a antiga classe média cujos empregos foram deslocados para outros países de modo a que executivos corporativos pudessem receber muitos milhões de dólares de pagamento em compensação pelo desempenho e os seus acionistas pudessem embolsar milhões de dólares com os ganhos de capital. Enquanto um punhado de executivos desfruta iates e garotas Playboy, dezenas de milhões de americanos mal conseguem sobreviver.

Na propaganda política, os "consumidores inúteis" não são somente um fardo para a sociedade e os ricos. Eles são sanguessugas que forçam contribuintes honestos a pagar pelas muitas horas de lazer confortável em que desfrutam a vida, assistindo eventos desportivos e pescando trutas, enquanto o trabalhador tem de vender seu corpo no MacDonalds mais próximo.

A concentração de riqueza e poder nos EUA de hoje vai muito além de qualquer coisa que os meus professores de ciência econômica pudessem imaginar na década de 60. Em quatro das melhores universidades do mundo que frequentei, a opinião [predominante] era que a competição no mercado livre impediria grandes disparidades na distribuição do rendimento e da riqueza. Como vim a aprender, esta crença era baseada numa ideologia – não na realidade.

O Congresso, ao atuar com base nesta crença errônea da perfeição do mercado livre, desregulamentou a economia dos EUA a fim de criar um mercado livre. A consequência imediata foi o recurso a toda ação que anteriormente era ilegal para monopolizar, cometer fraudes financeiras e outras, destruir a base produtiva dos rendimentos do consumidor americano e redirecionar rendimento e riqueza para os um por cento.

O "democrático" governo Clinton, tal como os de Bush e Obama, foi subornado pela ideologia do mercado livre. O governo Clinton, vendido ao grande capital, aboliu o Bolsa Família. Mas este descarte de americanos batalhadores não foi suficiente para satisfazer o Partido Republicano. Mitt Romney e Paul Ryan querem cortar ou abolir todo programa que amenize a situação de americanos atingidos pela crise e que os impeça de caírem na fome e ficarem sem casa.

Republicanos afirmam que a única razão para a existência de americanos carentes é o governo utilizar dinheiro dos contribuintes para subsidiar os que não querem trabalhar. Da forma como os republicanos veem, enquanto nós trabalhadores esforçados sacrificamos nosso lazer e o tempo com as nossas famílias, a ralé do estado de bem-estar desfruta o lazer que os nossos impostos lhes proporcionam.


CRENÇA MÍOPE

Esta crença míope, de presidentes de corporações que maximizam seus rendimentos deslocando empregos de milhões de trabalhadores americanos para outros países, deixou cidadãos na pobreza e cidades, municípios, estados e o governo federal sem uma base fiscal, o que resulta em bancarrotas o nível estadual e local, bem como déficits orçamentais maciços a nível federal que ameaçam o valor do dólar e o seu papel como reserva de divisa.

A destruição econômica da América beneficiou os mega-ricos com muitos milhares de milhões de dólares com os quais desfrutam a vida e o seu séquito de acompanhantes caros sempre que queiram. Enquanto isso, longe da Riviera francesa, o Ministério do Interior (Homeland Security) está acumulando munição suficiente para manter americanos pauperizados sob controle.


[*] Ex-secretário do Tesouro dos EUA e antigo editor associado do Wall Street Journal.
Fonte: Jornal Hora do Povo

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Extremistas islâmicos matam a facadas mulher e filhos de Pastor e mais 12 cristãos em ataque

Extremistas islâmicos matam a facadas mulher e filhos de Pastor e mais 12 cristãos em ataque

Conforme ia caindo ao chão, após tomar um tiro e ser golpeada com um facão, Dune James Rike olhou para os olhos marejados e amedrontados de seu marido e perguntou: “Este será o fim entre nós? Então não estaremos mais juntos?”


O pastor Musa James Rike contou à Compass que segurou as mãos de sua esposa de 35 anos de idade, enquanto ela morria, e lhe disse: “Apegue-se à sua fé em Jesus, que nós nos encontraremos e nunca mais nos separaremos.”

Muçulmanos extremistas que atacaram a vila Kurum, na área governamental de Bogoro, estado nigeriano de Bauchi, já haviam matado duas crianças do casal num tumulto que teve início na quarta-feira, dia 4 de maio, à meia-noite. Rike, pastor da Igreja de Cristo na Nigéria (COCIN, sigla em inglês), congregação em Kurum, em seguida ouviu os gritos de sua filha de 13 anos de idade, Sum James Rike, numa área próxima.
“Eu corri em direção a minha filha, somente para descobrir que ela também havia sido golpeada no estômago com um facão e seus intestinos estavam espalhados ao seu redor”, ele disse. “Eu segurei sua mão e comecei a orar, sabendo que ela iria morrer também. Ela me disse que os militantes muçulmanos lhe disseram que iriam matá-la, para ver ´como seu Jesus vai te salvar.’”

A garota disse a seu pai que lhes respondeu, dizendo que Jesus já a havia salvado e que, matando-a, eles só tornariam possível seu encontro com ele. O pastor Rike orou por ela, enquanto agonizava.
Atirando e ateando fogo às casas, os extremistas muçulmanos mataram outros 12 cristãos nesse ataque. A polícia de Bauchi relatou 16 mortos: um homem, três mulheres e 12 crianças.

O pastor Rike disse que, ao alcançarem sua casa, os agressores tentaram entrar nos quartos. “Eu abri a porta dos fundos e nós corremos pela noite escura, enquanto os militantes nos perseguiam,” ele disse. “Eles atiraram na minha esposa e em dois de nossos filhos, enquanto tentavam escapar.”

O pastor Rike disse que, após matarem as duas crianças, Faith James Rike e Fyali James Rike, de um ano de idade, cortaram a barriga de sua mulher com um facão.
“Fiquei chocado com o que vi”, ele disse. “Eu sabia que minha mulher não aguentaria e a única coisa que fiz foi encorajá-la a apegar-se à sua fé em Jesus. Os extremistas muçulmanos atearam fogo em mais de 20 casas antes de deixarem a vila”, ele disse.

O pastor Rike e seu filho sobreviveram ao ataque, mas sua filha adotiva, Whulham Rike James, foi ferida e estava recebendo tratamento no Hospital Geral de Bogoro. Disse também que outras cinco pessoas estavam sendo atendidas no mesmo hospital.

Algumas fontes da igreja disseram que entre os mortos estão: Murna Ayuba, Angelina Ezekiel, Dorcas Sunday, Asabar Toma, Rhoda Joseph, Dhunhgwa Zakka, Bukata Amos, Ishaku Amos, Kalla Amos, Amos Daniel, Samidah Joel e Changtan Joel.

Os muçulmanos jihadistas também roubaram dinheiro e outras coisas de valor da vila cristã, enquanto iam embora, segundo essas fontes da igreja.
A região
A área tem uma história de violência e os ataques se seguem à morte de centenas de pessoas em Bauchi e outros estados do norte, onde, no mês passado, houve revoltas dos muçulmanos por causa da eleição de 16 abril, que elegeu um presidente cristão, Goodluck Jonathan. Ele venceu o candidato muçulmano Muhammadu Buhari. Líderes cristãos do norte da Nigéria disseram que mais de 200 igrejas foram queimadas e que eles têm convocado uma sindicância federal sobre a violência, em que os cristãos são o principal alvo.

O norte da Nigéria subiu de 27º, em 2009, para 23º lugar, em 2010, na posição da lista da Portas Abertas de classificação de nações intolerantes ao cristianismo.

A igreja em que o pastor Rike ministra tem por volta de 30 membros e existe há mais de 50 anos. Os que foram assassinados eram membros das três igrejas da vila – a igreja COCIN, a Igreja Católica de São João e uma congregação da Igreja Evangélica do Oeste da África.

O pastor Rike disse que o incidente fortaleceu sua fé em Jesus.
“Qualquer que seja a situação, eu nunca negarei a Cristo,” disse. “Todos os seres humanos foram criados por Deus e aqueles que nos atacaram precisam entender que devem abandonar qualquer coisa que os leve a destruir as criaturas de Deus.”

A população da Nigéria é superior a 158,2 milhões de pessoas e quase que igualmente dividida entre os cristãos, que somam 51,3% da população e vivem principalmente no sul, e os muçulmanos, que somam 45% da população e vivem principalmente no norte. As porcentagens podem ser menores, entretanto aqueles que praticam religiões locais talvez estejam acima de 10% do total da população, de acordo com a Operation World.

Fonte: Portas Abertas

Postado por Daniel Simoncelos em 25.5.11

Sobre: Igreja Perseguida, Missões
Um comentário:

Isabel Araújo disse...

Nós cristãos que vivemos no Ocidente, ainda reclamamos das situações enfrentadas no nosso dia-a-dia. Ao ler posts como esse, me sinto confrontada. Irmãos, precisamos orar pelos missionários com mais frequência, abençoar aqueles que vão as nações do mundo. Entendam, Jesus voltará somente quando todos ouvirem a Sua Palavra. Senhor, abençoa nossos irmãos em nome de Jesus.
7:42 PM

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Câmara forma turma de analistas legislativos do Timor Leste

Câmara forma turma de analistas legislativos do Timor Leste

O Cefor promove nesta sexta-feira (31) a cerimônia de formatura de dez analistas legislativos do Timor Leste, capacitados pela Câmara para o exercício de suas atividades no Parlamento timorense. O programa de formação oferecido pelo Cefor é resultado de um protocolo de cooperação entre a Câmara dos Deputados e o Parlamento Nacional do Timor Leste, assinado em janeiro de 2005. O objetivo é proporcionar capacitação em língua portuguesa com ênfase em contextos parlamentares e desenvolver competências específicas de apoio ao trabalho legislativo.

De acordo com Thais Picchi, chefe do Núcleo de Interação Cidadã da Coordenação de Educação para a Democracia, do Cefor, o Parlamento do Timor Leste vinha funcionando com o auxílio de consultores estrangeiros e organismos internacionais. Pela primeira vez, a instituição vai contar com o trabalho de cidadãos timorenses. Thais lembra, ainda, que os participantes do programa de capacitação tiveram desempenho acima da média em todas as atividades propostas pelo Cefor.



Serviço

Cerimônia de formatura do curso de capacitação para analistas legais do Parlamento do Timor Leste

Sexta-feira (31), às 14h

Auditório do Cefor, Câmara dos Deputados
Fonte: Notícias Câmaranet (Site da Câmara dos Deputados)

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Billy Graham aponta decadência moral dos EUA e compara país a Sodoma e Gomorra

Billy Graham aponta decadência moral dos EUA e compara país a Sodoma e Gomorra

Evangelista aponta que norte-americanos elegeram a tecnologia e o sexo como falsos deuses

por Jussara Teixeira


O evangelista Billy Graham, considerado um dos maiores pregadores deste século, escreveu um artigo no site da Associação Evangelística Billy Graham em que comenta o atual cenário da sociedade norte-americana. Segundo ele, os padrões morais da América estão em franca decadência ao mesmo tempo em que as pessoas elegeram a tecnologia e o sexo como seus falsos deuses.

Citando os abortos realizados de forma legal no país, ele diz: “os americanos são auto centrados e indulgentes consigo mesmos, arrogantes e não sentem nenhuma vergonha do pecado. Esses pecados são agora emblemas do estilo de vida americano”.

Comparando a sociedade norte-americana às cidades bíblicas de Sodoma e Gomorra, o evangelista cita uma passagem de Ezequiel, onde é descrito modo de vida das antigas cidades que depois foram destruídas por Deus.

“Ora, este foi o pecado de sua irmã Sodoma: Ela e suas filhas eram arrogantes, tinham fartura de comida e viviam despreocupadas; não ajudavam os pobres e os necessitados. (Ezequiel 16:49)”

Graham cita o episódio em que capelães cristãos em um local nos sul dos EUA que atuam em delegacias de policia receberam ordens de não mencionar mais o nome de Jesus em oração.

Reportagens veiculadas na televisão mostraram que em um evento promovido pela polícia a pessoa designada a orar dirigiu sua prece ao ‘ser da sala’. “A sociedade americana está se esforçando para evitar qualquer possibilidade de ofender alguém. Só não se importa de ofender a Deus”, avalia Graham, e completa: “quanto mais longe estamos de Deus, mais as espirais do mundo fogem do controle”.

Apesar de revelar que seu coração “dói pela América e pelas pessoas”, o pregador lembra a misericórdia de Deus e sua resposta ao arrependimento. Foi o que aconteceu quando Jonas foi para Nínive e proclamou a advertência de Deus, e as pessoas ouviram e se arrependeram de seus erros. “acredito que o mesmo possa acontecer em nossa nação”, prevê.

Billy Graham é um nome internacionalmente conhecido por ter pregado a palavra do Evangelho por todo o mundo, sendo visto por aproximadamente 210 milhões de pessoas.

Hoje com 93 anos, ainda se dedica ao evangelismo e o ministério está sendo realizado pela Associação Evangelística Billy Graham, agora sob o comando de seu filho Franklin Graham.

Site Gospel Prime

“Nós ainda adoramos a ídolos como dinheiro, poder e posses”, afirma Billy Graham

“Nós ainda adoramos a ídolos como dinheiro, poder e posses”, afirma Billy Graham

Evangelista publica coluna em jornal americano

por Jarbas Aragão


Segundo uma pesquisa divulgada este ano, o evangelista Billy Graham é considerado um dos homens mais admirados dos Estados Unidos. Por causa dos problemas de saúde, aos 92 anos ele não faz mais as cruzadas evangelísticas que o tornaram mundialmente famoso. Entregou a direção do seu ministério ao filho, Franklin Graham, e há algum tempo a Associação Billy Graham adotou a internet como seu instrumento principal de proclamação do evangelho.

Porém, Billy continua ativo na obra e tem vários artigos reproduzidos em diferentes jornais dos Estados Unidos. Em uma coluna do jornal Chicago Tribune esta semana, ele respondeu a um leitor sobre o que pensa sobre a chamada “teologia da prosperidade” que é o foco central de muitas igrejas. Sua resposta foi:

Não podemos nos curvar aos ídolos feitos de pedra ou de metal, como as pessoas faziam antigamente (e algumas ainda fazem em diferentes partes do mundo). Mas isso não significa que nós [evangélicos] não temos nossos próprios “ídolos” hoje. Ou seja, temo que ainda servimos a coisas com a mesma devoção que eles tinham.

Tomemos, por exemplo, a nossa preocupação com o dinheiro e bens materiais. Isso não é necessariamente errado, é claro, pois precisamos deles para cuidar dos nossos entes queridos e termos uma vida confortável. Mas ambos podem facilmente tornar-se “ídolos” que seguimos servilmente e deixamos de lado as coisas mais importantes em nossas vidas. Em vez de servir a Deus, servimos ao dinheiro e às coisas – e elas acabam nos controlando. Lembre que Jesus advertiu: “Ninguém pode servir a dois senhores …. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro” (Mateus 6:24).

Tenho certeza que você pode pensar em várias coisas que se tornaram ídolos para nós. Por exemplo, o prazer, o sexo, o entretenimento, o prestígio social, a beleza ou o poder. Contudo, a verdadeira questão é esta: A que a “ídolos” servimos? O que temos colocado em nossa vida no lugar que pertence somente a Deus? A Bíblia diz: “Filhinhos, guardai-vos dos ídolos” (1 João 5:21).

Certifique-se de seu compromisso com Jesus Cristo, e procure segui-Lo todos os dias. Não se deixe influenciar pelos falsos valores e objetivos deste mundo, mas coloque Cristo e Sua vontade em primeiro lugar em tudo que você faz.

Traduzido e adaptado de Chicago Tribune

Evangélicos franceses decidem se afastar da teologia da prosperidade



O Conselho criado é assinado por teólogos de diversas vertentes como batistas, ortodoxos, pentecostais e outros.

por Leiliane Roberta Lopes



Recém criado na França, o Conselho Nacional dos Evangélicos da França (Cnef) escreveu um documento para afastar a teologia da prosperidade das igrejas francesas. Há quase cinco décadas essa vertente, que nasceu nos Estados Unidos, tem sido disseminada pelo mundo.

O órgão tem como objetivo regulamentar a doutrina do mundo evangélico francês e para isso um conselho formado por teólogos de diversas vertentes (pietistas ortodoxos, batistas, pentecostais e carismáticos pentecostais) elaborou esse estatuto de 30 páginas que foi divulgado no dia 22 de maio.

Esses estudiosos chegaram à conclusão de que é necessário se afastar dessa teologia que assemelha a riqueza material com a salvação cristã e incentivar essa atitude dando esclarecimentos para os seus membros.

O primeiro erro apresentado por eles sobre a teologia da prosperidade está exatamente nessa relação entre salvação e prosperidade física e material (saúde e riqueza), pois a salvação está ligada ao “coração” como explica o pastor batista Thierry Huser. “A salvação refere-se principalmente à relação com Deus e à reconciliação com ele por meio de Cristo”.

Thierry fala também sobre o erro teológico de ensinar que Deus se coloca a serviço da prosperidade do fiel. “A ênfase unilateral sobre a palavra de Deus, cuja eficácia reside na sua força de afirmação, pode levar a ter ‘fé na fé’, ao invés de ter ‘fé em Deus’”.

O texto do Cnef também fala sobre o discurso usado por essas igrejas, de dizer para o fiel que não consegue o que busca é que lhe faltou fé. “Os profetas da prosperidade protegem-se, assim, de todo questionamento das suas promessas. Ao contrário, todo o peso do eventual insucesso recai sobre o fiel, que esperou, rezou, doou”, diz trecho do texto.

O documento também pontua outro erro dessa linha de pensamento teológico que é o de não dizer sobre o que Jesus disse sobre ter amor ao dinheiro e não idolatrar o sucesso material.

Com informações Unisinos

A Fábula da Borboleta







“Certo dia, um homem estava no quintal de sua casa e observou um casulo pensurado numa árvore. Curioso, o homem ficou admirando aquele casulo durante um longo tempo.
Ele via que a borboleta fazia um esforço enorme para tentar sair através de um pequeno buraco, sem sucesso. Depois de algum tempo, a borboleta parecia que tinha desistido de sair do casulo, as suas forças haviam se esgotado.

O homem, vendo a aflição dela para querer sair resolveu ajudá-la: pegou uma tesoura e cortou o restante do casulo para libertar a borboleta. A borboleta saiu facilmente, mas seu corpo estava murcho e as suas asas amassadas.

O homem, feliz por ajudá-la a sair, ficou esperando o momento em que ela fosse abrir as asas e sair voando, mas nada aconteceu. A borboleta passou o resto da sua vida com as asas encolhidas e rastejando o seu corpo murcho. Nunca foi capaz de voar…
O homem então compreendeu que o casulo apertado e o esforço da borboleta para conseguir sair de lá, eram necessários para que o fluido do corpo da borboleta fosse para as suas asas para fortalecê-las e ela poder voar assim que se libertasse do casulo.

Moral da história: às vezes o esforço é necessário para o nosso crescimento e fortalecimento.

Se vivêssemos a nossa vida sem passar por quaisquer obstáculos, talvez não conseguiríamos ser tão fortes quanto podemos ser.

Pedi Força… e Deus me deu dificuldades para eu ficar forte.
Pedi Sabedoria… e Deus me deu problemas para resolver.
Pedi Prosperidade… e Deus me deu cérebro e músculos fortes para trabalhar.
Pedi Coragem… e Deus me ofereceu perigo para eu superar.
Pedi Amor… e Deus colocou em minha vida pessoas com problemas para eu ajudar
Enfim… não recebi nada do que pedi.
Mas recebi tudo o que eu precisava…
(autor desconhecido)


O Melhor Documentário sobre a História de Israel e do povo judeu

sábado, 11 de agosto de 2012


Pai, você foi um exemplo pra mim!



Meu inesquecível pai de mão dadas com tia Ana, sua irmã mais nova. Uma família de 14 irmãos.


Pai, uma Palavra forte
Que resume três ações:
Amar, cuidar e dar exemplos
No próximo domingo, dia 12, você faria 84 anos, mas aprouve ao Senhor chama-lo há quase 10 anos
O amor de Deus sempre esteve em seu coração
Quando nasci, fui muito amada por ti
E hoje vejo o quanto isso foi importante para minha formação
Pai é aquele que dar exemplos
Que ajuda, que dar carinho, que cuida!
Agradeço a Deus por tê-lo tido como pai, orientador e amigo de todas as horas,
A benção de Deus está sobre a minha vida e sobre a nossa casa! Gostaria muito que um dia vistes que lindos são seus netos: João Pedro, Bia e Vanessa e como sentimos sua falta...
Na nossa casa falta a sua alegria, em nossas reuniões de família, falta a sua contagiante maneira de ser,
E na minha alma, o que me acalenta é saber que partistes pronto para o encontro com Deus...lembro-me que naquele quarto ali no hospital, eu perguntava: Pai você ainda quer anos de vida? E você falava com nossa mãe: Não filha , está chegando a minha hora, é hora da partida e assim nos despedimos , antes quisestes que o Pastor Rossine fizestes a última oração com unção e depois sozinha ungi seu corpo vivo pela última vez, dizendo Jesus a ti entrego meu pai leva-o para as mansões celestiais onde não haverá dor, nem morte , nem rancor, onde Deus nos enxuga toda a lágrima e transforma em alegria o nosso pranto!
Continuo te amando tanto e com saudades recitando!

Com carinho ofereço esta mensagem a todos os pais biológicos, adotivos, e aos filhos para que valorizem a presença de seu pai em suas vidas!
Com amor ,

Tânia

Ô Tânia como é lindo ler/ver a beleza que trazes dentro de si. Vc é mais que especial. Vc é nosso tesouro que guardo sempre em meu coração!
A saudade que vc sente é nossa também. O tio Ataíde foi o Paizão de tantos na nossa família...Compartilho com vc esses sentimentos: ora de saudade...sempre, sempre de alegrias...É um presente de Deus ter convivido com uma pessoa tão alto astral.Por vezes me pego a lembrar das astúcias dele. A última: Lúcia viajou para a Europa com Luzinete, Ana e Lú. Na manhã dela viajar nos falamos por telefone. E e eu a perguntava: - Lucia, tudo arrumado?Malas prontas..etc. e ela respondeu-me: Que nada passei a manhã toda organizando a casa...e detalhou....Eu a disse; Lúcia, como disse o Tio Ataíde "É só vc chegar no avião que vc começa a transformação: batom,rouge,etc..que depois vc não se lembrará nem de casa...nem de marido...filhas.."kkkkkk
E a Lúcia disparou na risada...e disse:Estava me lembrando dessas "lorotas" do Tio hoje e comecei a rir..kkkkk
bjs
Fátima(prima)

Linda expressão de amor a quem sempre nos cuidou com tanto carinho. Inevitável nao lembrar dele , sobretudo este mês de seu aniversario e dia dos pais, ocasião em que sempre reunimos a família em torno dele. Sinto sua falta todo dia, ontem fui ao culto na Batista , onde estava sendo velado corpo de pastor joao filho, senti muito forte a presença do nosso pai . Grande beijo, Tânia, da sua irmã Tatiana.

Enviado via iPhone

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

O AMOR DE DEUS, O HOMEM , E O PLANO DA SALVAÇÃO

" Pois Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho unigênito para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna." (João 3:16)


O PLANO DE DEUS
Cristo afirma: "Eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente" (uma vida abundante e com propósito). (João 10:10)



O HOMEM É PECADOR
"Pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus..." (Romanos 3:23)
O homem foi criado para ter um relacionamento perfeito com Deus, mas por causa de sua desobediência e rebeldia, escolheu seguir o seu próprio caminho, e seu relacionamento com Deus desfez-se. Este estado de independência de Deus, caracterizado por uma atitude de rebelião ou indiferença, é evidência do que a Bíblia chama de pecado.

O HOMEM ESTÁ SEPARADO
"Pois o salário do pecado é a morte..." (separação espiritual de Deus) (Romanos 6:23)
Deus é santo e o homem é pecador. Um grande abismo separa os dois. O homem está continuamente procurando alcançar a Deus e a vida abundante através dos seus próprios esforços: vida reta, boas obras, religião, filosofias, etc.

ELE MORREU EM NOSSO LUGAR
"Mas Deus demonstra seu amor por nós pelo fato de ter Cristo morrido em nosso favor, quando ainda éramos pecadores." (Romanos 5:8)


ELE RESSUSCITOU DENTRE OS MORTOS
"Cristo morreu pelos nossos pecados... foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras... e apareceu a Pedro e depois aos Doze. Depois disso apareceu a mais de quinhentos..." (1 Coríntios 15:3-6)

ELE É O ÚNICO CAMINHO

"Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim." (João 14:6)Deus tomou a iniciativa de ligar o abismo que nos separa Dele ao enviar seu Filho, Jesus Cristo, para morrer na cruz em nosso lugar, pagando o preço dos nossos pecados.



PRECISAMOS RECEBER A CRISTO
"Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus." (João 1:12)

RECEBEMOS A CRISTO PELA FÉ
"Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé; e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie" (Efésios 2:8-9)

RECEBEMOS A CRISTO POR MEIO DE UM CONVITE PESSOAL
Cristo afirma: "Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei..." (Apocalipse 3:20)

Receber a Cristo implica arrependimento, significa deixar de confiar em nossa capacidade para nos salvar, crendo que Cristo é o único que pode perdoar os nossos pecados. Não é suficiente crer intelectualmente que Jesus é o Filho de Deus e que morreu na cruz pelos nossos pecados ou ter uma experiência emocional. Recebemos a Cristo pela fé, através de uma decisão pessoal.

VOCÊ PODE RECEBER A CRISTO AGORA MESMO EM ORAÇÃO
(Orar é falar com Deus).

Deus conhece seu coração e está mais interessado na atitude do seu coração do que em suas palavras. A oração seguinte serve como exemplo:

"Senhor Jesus, eu preciso de Ti. Eu Te agradeço por ter morrido na cruz pelos meus pecados. Abro a porta da minha vida e Te recebo como meu Salvador e Senhor. Obrigado por perdoar os meus pecados e me dar a vida eterna. Toma conta da minha vida e faça de mim o tipo de pessoa que desejas que eu seja."

Esta oração expressa o desejo do seu coração?

Se for assim, faça esta oração agora mesmo e Cristo entrará em sua vida, como prometeu.

Agora que você recebeu a Cristo...sinta o quanto Ele te ama e coloca pessoas para te ajudar!

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Mandela é um ícone vivo da luta contra o apartheid


"Ninguém nasce odiando outra pessoa
pela cor de sua pele,
ou por sua origem, ou sua religião.
Para odiar, as pessoas precisam aprender,
e se elas aprendem a odiar,
podem ser ensinadas a amar,
pois o amor chega mais naturalmente
ao coração humano do que o seu oposto.
A bondade humana é uma chama que pode ser oculta,
jamais extinta", disse Nelson Mandela






Mandela é um ícone vivo da luta contra o apartheid! Venceu o ódio com a luta pela liberdade! Quebram-se os muros e se constróem pontes de vida, quebra de preconceitos raciais e se planta o amor no mundo! O mundo precisa de homens e mulheres que marquem a diferença no seu país com inspirações e projetos que mudem os rumos de uma nação e quebrem os muros do preconceito e plantem o amor! (Tânia Rocha)

terça-feira, 17 de julho de 2012

Nelson Mandela, o ícone da liberdade da África do Sul, completa 94 anos

Nelson Mandela, o ícone da liberdade da África do Sul, completa 94 anos





France Presse

Publicação: 17/07/2012 08:33 Atualização:

Johannesburgo - Nelson Mandela completa 94 anos nesta quarta-feira, 18 de julho, uma data importante na África do Sul, ocasião para multiplicar as homenagens, as boas ações e também os debates críticos sobre a melhor maneira de prosseguir com seu combate e com seu trabalho de reconciliação.

Herói da luta contra o regime da segregação racial, "Tata" Mandela ou "papai" Mandela, como é chamado com respeito e afeto, é notícia frequentemente por motivos de saúde.

Leia mais notícias de Mundo

Mas agora esta data, que significava festas na presença de estrelas ou de dignitários estrangeiros, é celebrada em família. Em janeiro de 2011, Mandela foi hospitalizado por uma infecção respiratória, e em fevereiro precisou se submeter a alguns exames. As últimas notícias, fornecidas pelo presidente Jacob Zuma, que se encontrou recentemente com ele, afirmam que Mandela encontra-se "bem de saúde".

Saiba mais...
Arquivos pessoais de Nelson Mandela são disponibilizados na internet Democracia ainda não trouxe para os negros a igualdade sonhada por Mandela Ex-presidente Nelson Mandela se recupera após breve internação
"Foi um prazer vê-lo, como sempre. Eu estava particularmente feliz por poder felicitá-lo antes de seu próximo aniversário. Também o informei de que, como sempre, todos os sul-africanos esperam o dia 18 para poder desejá-lo um feliz aniversário de todas as maneiras possíveis", declarou o presidente sul-africano em um comunicado.

Zelda la Grange, que foi sua secretária particular, também declarou à rádio que o encontrou "em forma" e "mimado por sua família e pela equipe média que o rodeia". Há um ano, Nelson Mandela vive entre Johannesburgo e Qunu, sua cidade natal, onde se instalou em maio em sua casa reformada.

Mandela, que se retirou da vida política em 2004, não perde seu país de vista, assegura seu velho amigo e companheiro de cela Ahmed Kathrada, de 82 anos. "A última vez que o vi, há cerca de um mês, estava ocupado lendo seus jornais", disse recentemente Kathrada.

"Tomara que possa seguir conosco por muito mais tempo e possa nos dar conselhos", afirma. Os dois homens permaneceram juntos na prisão por 26 anos. Nelson Mandela foi libertado em 1990 após 27 anos de reclusão. Dirigiu as negociações que permitiram a transição, sem guerra civil, em direção à democracia multirracial.

O primeiro presidente negro da África do Sul, de 1994 a 1999, fez sua última aparição pública em 2010, no Mundial de Futebol organizado por seu país. Desde então, as chances de vê-lo estão reservadas aos seus parentes, a jovens talentos que vão se apresentar para ele, ou através da televisão, como quando foi mostrado em casa preenchendo seu formulário de censo ou como quando recebeu a chama do centenário de seu partido, o Conselho Nacional Africano (ANC).

Embora não seja feriado, o dia de seu aniversário é uma data muito especial. Na quarta-feira às 08h locais (03h de Brasília), milhares de estudantes cantarão "Happy Birthday Madiba", o nome de clã tradicional de Nelson Mandela. Uma iniciativa a qual os organizadores esperam somar 20 milhões de vozes.

O Mandela Day é reconhecido desde 2009 pela ONU como um chamado mundial a consagrar 67 minutos de nosso tempo a ajudar os semelhantes como homenagem aos valores defendidos pelo primeiro presidente negro de seu país. Estes 67 minutos correspondem aos 67 anos que Mandela consagrou ao combate político.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

terça-feira, 3 de julho de 2012

TORRADAS QUEIMADAS...

TORRADAS QUEIMADAS...



Quando eu ainda era um menino, ocasionalmente, minha mãe
gostava de fazer um lanche, tipo café da manhã, na hora do jantar. E
eu me lembro especialmente de uma noite, quando ela fez um lanche
desses, depois de um dia de trabalho, muito duro.

Naquela noite, minha mãe pôs um prato de ovos, linguiça
e torradas bastante queimadas, defronte ao meu pai. Eu me lembro de
ter esperado um pouco, para ver se alguém notava o fato. Tudo o que
meu pai fez, foi pegar a sua torrada, sorrir para minha mãe e me
perguntar como tinha sido o meu dia, na escola.

Eu não me lembro do que respondi, mas me lembro de ter
olhado para ele lambuzando a torrada com manteiga e geléia e engolindo
cada bocado.

Quando eu deixei a mesa naquela noite, ouvi minha mãe se
desculpando por haver queimado a torrada. E eu nunca esquecerei o que
ele disse:
- Adorei a torrada queimada...

Mais tarde, naquela noite, quando fui dar um beijo de
boa noite em meu pai, eu lhe perguntei se ele tinha realmente gostado
da torrada queimada.Ele me envolveu em seus braços e me disse:

- Companheiro, sua mãe teve um dia de trabalho muito
pesado e estava realmente cansada... Além disso, uma torrada queimada
não faz mal a ninguém. A vida é cheia de imperfeições e as pessoas não
são perfeitas. E eu também não sou o melhor marido, empregado, ou
cozinheiro, talvez nem o melhor pai, mesmo que tente todos os dias!

O que tenho aprendido através dos anos é que saber
aceitar as falhas alheias, escolhendo relevar as diferenças entre uns
e outros, é uma das chaves mais importantes para criar relacionamentos
saudáveis e duradouros.

Desde que eu e sua mãe nos unimos, aprendemos a suprir
um as falhas do outro. Eu sei cozinhar muito pouco, mas aprendi a
deixar uma panela de alumínio brilhando.

Ela não sabe usar a furadeira, mas após minhas reformas,
ela faz tudo ficar cheiroso, de tão limpo. Eu não sei fazer uma
lasanha como ela, mas ela não sabe assar uma carne como eu. Eu nunca
soube fazer você dormir, mas comigo você tomava banho rápido, sem
reclamar.
A soma de nós dois monta o mundo que você recebeu e que
te apoia, eu e ela nos completamos. Nossa família deve aproveitar este
nosso universo enquanto temos os dois presentes. Não que mais tarde, o
dia que um partir, este mundo vá desmoronar, não vai. Novamente
teremos que aprender e nos adaptar para fazer o melhor.

De fato, poderíamos estender esta lição para qualquer
tipo de relacionamento: entre marido e mulher, pais e filhos, irmãos,
colegas e com amigos.

Então filho, se esforce para ser sempre tolerante,
principalmente com quem dedica o precioso tempo da vida, a você e ao
próximo.


"As pessoas sempre se esquecerão do que você lhes fez, ou do que
lhes disse. Mas nunca esquecerão o modo pelo qual você as fez se
sentir."





"O SORRISO ENRIQUECE OS RECEBEDORES, SEM EMPOBRECER OS DOADORES"
Mário Quintana





PERFEIÇÃO NÃO EXISTE. VAMOS TENTANDO SER, A CADA DIA, UM SER HUMANO MELHOR.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Inação está levando o planeta ao limite, afirma cientista sueco

25/06/2012 - 05h00
Inação está levando o planeta ao limite, afirma cientista sueco




O hidrólogo sueco Johan Rockstrom, diretor do Centro de Resiliência de Estocolmo

CLAUDIO ANGELO-FolhaSP
ENVIADO ESPECIAL AO RIO

O hidrólogo sueco Johan Rockström chegou ao Rio de Janeiro na semana retrasada com uma certeza: a Terra está no limiar de um futuro no qual o risco de colapso ambiental é inédito. E saiu na semana passada com outra: os governos não escutam.

Diretor do Centro de Resiliência de Estocolmo, Rockström tornou-se uma espécie de celebridade na academia ao propor, em 2009, o conceito de "espaço de operação seguro" para a humanidade.
Creative Commons
O hidrólogo sueco Johan Rockstrom, diretor do Centro de Resiliência de Estocolmo
O hidrólogo sueco Johan Rockstrom, diretor do Centro de Resiliência de Estocolmo

O grupo de 28 cientistas liderado por ele mostrou, num estudo seminal no periódico "Nature", que a civilização já ultrapassou 3 de 9 barreiras planetárias cujo rompimento pode levar a pontos de virada no sistema terrestre -- e a potenciais catástrofes.

A pedido do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, Rockström coordenou um grupo de Prêmios Nobel que produziu uma carta com recomendações sobre sustentabilidade global para dar subsídios às decisões da Rio+20.

Dois dos conceitos-chave da carta, porém, ficaram de fora da declaração final da conferência, "O Futuro que Queremos": o empoderamento das mulheres e o próprio reconhecimento dos limites planetários.

"Não é uma mensagem que muita gente goste de ouvir, mas nós não temos mais nenhum grau de liberdade" para operar no planeta, afirma o cientista. "Se não acertarmos agora, será tarde demais: a Rio+30 não vai resolver."

Leia a entrevista que Rockström concedeu à Folha no Riocentro.

Folha - O sr. disse que havia ainda muitas incertezas sobre os limites planetários quando publicou seu artigo em 2009. Como tem evoluído o conhecimento sobre eles?
Johan Rockström - No artigo original, nós quantificamos sete de nove limites, e estava claro para nós que os limites de água, biodiversidade e terra eram aproximações. Quatro de sete eram razoavelmente robustos: clima, ozônio, nitrogênio e oceanos. O que aconteceu desde então foi que nós aprendemos mais sobre o limite do fósforo, e descobrimos que já o transgredimos. A situação é mais grave. Há um grande esforço para quantificar as duas barreiras que não foram quantificadas ainda, as de produtos químicos e de poluição do ar. Há um grupo de trabalho formado para analisar a barreira da biodiversidade. Nosso indicador foi a perda de espécies, mas não é muito bom, porque não é a biodiversidade total, e sim suas funções, o que determina se um ecossistema vai colapsar. Estamos trabalhando na versão 2.0 dos limites planetários.

Como conciliar o sentido de urgência que a ciência traz com o ritmo dos avanços nas salas de negociação aqui?

Não é uma mensagem que muita gente goste de ouvir, mas nós não temos mais nenhum grau de liberdade. Estamos chegando ao teto do que o planeta é capaz de suportar sem gerar nenhuma surpresa. Até muito recentemente, você podia usar o planeta como uma lata de lixo. E o planeta tem sido uma mãe muito compreensiva, absorvendo, absorvendo todos os choques. Mas hoje nós vemos que essa era chegou ao fim. E nós não sabíamos disso em 2005, não sabíamos disso em 2002, certamente não sabíamos disso em 1992. É uma situação tão nova que nós perdemos qualquer liberdade. Não podemos dizer, "OK, nós não conseguimos nos manter em [um aumento da temperatura de] 2°C, então vamos ser realistas e ficar em 3°C". A ciência diz que você não tem essa escolha. Porque é a escolha entre um desafio, 2°C, com muita, muita, muita perturbação e adaptação, e um desastre. A ciência precisa entrar nas negociações, hoje ela está fora.

Quão frustrado o sr. ficou quando a conferência de Durban adiou a ação para 2020?
Do ponto de vista científico, é uma irresponsabilidade total. Se não chegarmos ao pico em 2015 não teremos chance de reduzir as emissões de gás carbônico rápido o suficiente para ficarmos num orçamento de carbono seguro. Então, a data de 2015 serve apenas para nos dar algum espaço para uma transição. Se você adiar para 2020, o ritmo da redução terá de ser de 7% a 8% por ano, mas para fazer 200 países no mundo reduzirem emissões de 7% a 8% por ano não é viável, não consigo enxergar a revolução tecnológica que permitiria que isso acontecesse.

Aonde a Rio +20 nos leva?

Não muito longe. O texto não reflete a urgência que enfrentamos. É o encontro de uma geração; nós só nos encontramos assim a cada 20 anos. É uma responsabilidade enorme, um investimento e uma enorme encruzilhada para a humanidade. Se não acertarmos agora, será tarde demais: a Rio +30 não vai resolver. Então há razão para ficarmos bem preocupados. A luz no fim do túnel são os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, abrindo imediatamente um processo para defini-los, e adotá-los imediatamente por todos os Estados-membros da ONU, você pode começar a administrar o Antropoceno [a era geológica dominada pela humanidade, conceito adotado por muitos cientistas].

A carta dos Prêmios Nobel fixa 2015 como uma data crítica para a sustentabilidade, mas muita gente tem dito que 2015 é tarde demais.
Certamente. O Rio não resolve isso, eles não querem resolver isso, deferiram tudo para as convenções do clima e da biodiversidade. Só existe uma maneira de abaixar a curva de emissões em 2015, que é combinar um preço global do carbono de pelo menos US$ 50 a tonelada e uma trajetória quantitativa para todos os países do mundo.

Isso não está sobre a mesa.

Eu acho interessantíssimo que economias fortes como os EUA e a UE, o Canadá não comecem a reconhecer, no nível de seus ministérios de Finanças e Relações Exteriores, que o fracasso em mitigar a mudança climática e de entrar numa economia de baixo carbono vai bater nesses dois ministérios, porque vai criar tanta instabilidade no mundo que você vai ter refugiados, guerras.

James Lovelock, criador da hipótese Gaia, segundo a qual a Terra é um superorganismo, deu uma entrevista recentemente dizendo que exagerou em seus prognósticos, e isso virou uma espécie de mantra para negar a mudança climática. Por que o negacionismo voltou à moda?

James Lovelock foi mal interpretado. Ele não é negacionista da mudança climática. O que ele está dizendo é que ele acredita que o sistema terrestre tem uma resiliência maior do que ele achava. Ele assumiu que o mundo simplesmente, irreversivelmente, chegaria a uma elevação de temperatura de 6°C e chegou a sugerir que a população seria reduzida a 2 bilhões, tipo apocalipse. Então, ele passa dessa posição extrema para uma posição mais "mainstream" [consensual] e é interpretado como sendo um negacionista. É absurdo. O negacionismo nunca esteve tão em baixa. Ele parece estar em alta hoje por uma única razão: os jornalistas não estão fazendo seu trabalho. A culpa é toda dos jornalistas. Porque os jornalistas simplesmente não conseguem distinguir o que 99% dos cientistas dizem do que diz um punhado de homens provocadores, empolgantes, excêntricos e idosos. Não é culpa de qualquer jornalista, é de jornalistas que não acompanham a área ambiental. De editores de páginas de opinião, de política, da liderança do "Wall Street Journal". Eles simplesmente deixaram essas pessoas entrar e lhes deram o mesmo peso, então as pessoas ficam confusas.

terça-feira, 19 de junho de 2012

A Força do Amor

Aos nossos mais implacáveis adversários, diremos: “Corresponderemos à vossa capacidade de nos fazer sofrer com a nossa capacidade de suportar o sofrimento. Iremos ao encontro da vossa força física com a nossa força do espírito. Fazei-nos o que quiserdes e continuaremos a amar-vos. O que não podemos, em boa consciência, é acatar as vossas leis injustas, pois tal como temos obrigação moral de cooperar com o bem, também temos a de não cooperar com o mal. Podeis prender-nos e amar-vos-emos ainda. Assaltais as nossas casas e ameaçais os nossos filhos, e continuaremos a amar-vos. Enviais os vossos embuçados perpetradores da violência para espancar a nossa comunidade quando chega a meia-noite, e, quase mortos, amar-vos-emos ainda.

Tendes, porém, a certeza de que acabareis por ser vencidos pela nossa capacidade de sofrimento. E quando um dia alcançarmos a vitória, ela não será só para nós; tanto apelaremos para a vossa consciência e para o vosso coração que vos conquistaremos também, e a nossa vitória será dupla vitória”. O amor é a força mais perdurável do mundo. Este poder criador, tão belamente exemplificado na vida de nosso Senhor Jesus Cristo, é o instrumento mais poderoso e eficaz para a paz e a segurança da humanidade. Diz-se que Napoleão Bonaparte, o grande gênio militar, recordando a sua anterior época e conquistas, teria observado: “Tanto Alexandre como César, Carlos Magno ou eu próprio, criamos grandes impérios. Mas onde se apoiaram eles? Unicamente na força. Jesus, há séculos, iniciou a construção de um império fundado no amor, e vemos hoje ainda milhões de pessoas que morrem por Ele”.

Ninguém pode duvidar da veracidade dessas palavras. Os grandes chefes militares do passado desapareceram, os seus impérios ruíram e desfizeram-se em cinza; mas o império de Jesus, edificado solidamente e majestosamente nos alicerces do amor, continua a progredir. Começou por um punhado de homens dedicados que, inspirados pelo Senhor, conseguiram abalar as muralhas do Império Romano e levar o Evangelho ao mundo todo. Hoje, o reino de Cristo na terra compreende mais de um bilhão de pessoas e reúne todas as nações ou tribos. Ouvimos hoje de novo a promessa de vitória:
Jesus há de reinar enquanto o sol fizer sua viagem cada dia;
o seu Reino irá de costa a costa até que a lua deixe de mudar.
A que outro coro, alegremente, responde:
Não há em Cristo Leste ou Oeste, n’Ele não há Norte nem há Sul, mas a grande unidade do Amor por toda a vasta terra inteira.

Jesus tem sempre razão. Os esqueletos das nações que o não quiseram ouvir enchem a História. Que neste século vinte, nós possamos escutar e seguir as suas palavras antes que seja tarde demais. Possamos nós também compreender que nunca seremos verdadeiros filhos do nosso Pai do céu sem que amemos os nossos inimigos e oremos por aqueles que nos perseguem.

Martin Luther King, Jr. (1929-1968)

domingo, 10 de junho de 2012

O Doce Amargo!







Para viver um grande amor é preciso coragem de assumir os riscos, é preciso saber provar o doce e ver o lado bom do absinto, do amargo, do fel. É preciso controlar os instintos e deixar que o tempo fale por nós. A paixão é fogo curto, o amor é uma chama acesa que ultrapassa os anos e nos leva a verdadeira beleza de nos moldar junto com o outro, mesmo em espaços diferentes, mesmo tendo o corpo ausente, até que duas almas aceitem que se precisam e que existe uma missão que vai além do egoísmo de viver um para o outro.


Quando o verbo amar for conjugado pela humanidade de uma forma ágape, ou seja , quando aceitarmos que não somos só matéria, mas também espírito, veremos que o amor não é uma simples necessidade de viver momentos lindos, prazerosos, mas acima de tudo é uma forma de dividir com o outro nossas alegrias, dores, sonhos e projetos e aceitar as diferenças de uma vida a dois.


Quando sofre uma vez, duas , três por amor, paixão, o psicológico cria uma barreira e muitos temem a rejeição. A necessidade de amar se esbarra no medo de viver a coisa e ser rejeitado depois. E da mesma maneira que abrigamos uma sede imensa de amar , trazemos cativo o medo de amar e não ser correspondido a altura. Os corajosos se entregam, sabem que se machucam, mas não deixam de acreditar que o amor é a mais nobre das lições e o mais delicado dos dons. Amar não é um sentimento, você decide amar por princípios divinos, este é o amor que resiste aos anos, independe de classe social, de bonança ou de escassez, independe de raça, poder aquisitivo, enfim. Dois mundos diferentes se encontram e se atraem, o tempo os leva a juntar os pedaços que sobraram de duas vidas que são aperfeiçoadas a cada momento em plena liberdade , sem exigências ,simplesmente, aceitam o presente divino do amor.


A covardia não permanece no coração disposto a amar, verdadeiramente, o verdadeiro amor lança fora o medo e aceita o outro com seu lado doce e amargo. O amor não é uma vela no meio da chuva que se apaga com simples pingos d’água, o amor é uma experiência divina que se fortalece a cada dia com as provas do caminho. Aceitar as várias estações do amor....a primavera dos anos, onde tudo é novo e surpreendente, o verão dos momentos, o calor humano, o inverno onde tudo parece ruir, se esvair, ir .... e finalmente a estação do outono onde damos os mais lindos frutos e influenciamos o mundo que nos cerca a amar de verdade e acreditar que vale apena viver o doce amargo do amor...


Um grande amor acontece sem que percebamos no início que já era amor. Surge uma atração, uma amizade, uma implicação, uma saudade, uma barreira, uma ansiedade, um choro, uma ausência, músicas pra lembrar, algo para rir, encontros e desencontros no trânsito, no ar, na rua, na praia, no mar da vida, nos debates, nos embates, aí você percebe que não é acaso....nenhuma folha cae em vão, e ninguém cruza, frequentemente, os teus passos por engano ou coincidência. O amor chega e não pede licença e insiste em ficar, apesar das fugas de quem vive entre o doce amargo com medo de amar.

Tânia Rocha
Jornalista ( Para o próximo livro o Doce-Amargo. Autora dos livros Imaginação a Solta e Verbo Amar e do cd de poesias musicadas Verbo Amar. taniaverboamar@ig.com.br. Visitem meu blog:www.taniaverboamar.blogspot.com.br